na catraca

10.05.2009

highway to hell - estudos pro #8


Abrindo o baú dos processos, passo a passo de uma página d'O Contínuo 8. Cada desenhista tem sua maneira de trabalhar e proceder da idéia inicial, no roteiro, até a página finalizada. Vou mostrar um pouco da minha: A primeira imagem é um rabisco do Leiaute da página. Sempre faço isso antes de esboçar quadro a quadro. Ajuda a ter uma visão geral da página e das passagens de quadro. Depois faço um esboço rápido dos quadros, cada um no seu lugar, pra saber qual a informação que vai ali. Feito isso, faço um desenho mais detalhado, quadro a quadro. É a página a lápis, geralmente essa é a parte mais demorada, onde eu preciso pesquisar (quando necessário) referências pros cenários, personagens, detalhar os quadros, e acertar a passagem de tempo. Depois disso, minha parte preferida; o nanquim. Ofuscar o pouco de branco que sobrou na página com o preto e finalizar os desenhos. Geralmente eu faço essa parte junto com o desenho, vou meio que desenhando com o nanquim. Assim, o desenho fica mais orgânico, mais solto... Nesse Contínuo, especialmente, estou desenhando tudo, e só depois eu finalizo. Estou gostando do resultado. espero que vocês gostem também.

4 comentários:

Viniart disse...

Olá meu nome é Vinicius, eu acompanho o Blog de vocês, sou aqui de Valinhos, vizinho de Campinas, gostei muito do album cancer que vocês produziram e também tenho marina contra todos, sou também da área, formado em publicidade, mas ilustrador de paixão, eu não atuo na área mas pretendo daqui algum tempo atuar, mas sobre a postagem, achei super legal por que é um trabalho bem técnico esse de elaborar a página de quadrinhos, eu ainda tenho dificuldade, sinto os quadros que faço um tanto quanto injeçados, sem dinamismo, estou pesquisando tudo que posso pra entender como fazer melhor, e aí estava vendo o que foi produzido.
Eu geralmente leio o roteiro e vou imaginando as cenas, depois faço como voçê fez no segundo passo, ou seja eu acabo "queimando" uma etapa, e já vou logo esboçando sobre o que pensei como layout, as vezes procuro pesquisar em outros quadrinhos formas de contar um fato ou narrativa pra utilizar no meu, e por fim já desenho. Artefinal geralmente eu não faço, mas pretendo faço, pra acelerar o processo de aprendizado, mas vou fazer daqui um tempo.
abraço

alcimar frazão disse...

Legal que gostou Vinícius! O lance das etapas não é uma regra, eu costumo fazer assim por que funciona no meu trampo. Você vai acabar achando seu jeito de fazer, queimando etapas ou não. Sobre o lance dos quadros engessados, um boa dica é ler muitos quadrinhos, e de preferência de estilos diferentes. cada "gênero" resolve o lance da narrativa e da fluidez de um jeito. Outra boa leitura é o Quadrinhos e arte sequencial do will eisner, alé ele diz quase tudo.
valeu pelo comentário.
[ ]s

Olavo Costa disse...

Cimá! Ficou bom pra caralho! Já estão manjados os meus comentários de fã aqui no "Na catraca". Eu tinha dúvidas dos monstros (acho que todos se lembram do episódio), mas ficou graficamente muito bem resolvido. Lembro de uma ideia de deixar todas essas coisas rebaixadas com cinza, mas acho que do jeito que está, está perfeito! Incrível como você está dosando bem o preto, e alternando quadros mais claros e mais escuros de maneira que isso funcione para a narrativa, mesmo sem aquela diferença brutal (um tanto quanto forçada) que havia nas páginas do Tino... Certamente (sem falsa modéstia) o #8 vai ser o melhor contínuo de todos os tempos!
E continuemos com nossos planos para tentar dominar o mundo!!!
Huahuahuahuahuahuahua!

Olavo Costa disse...

Vinícius, valeu pelo comentário. E pela boa ideia de publicarmos no blogue o nosso processo de trabalho. Vou preparar imagens para a semana que vem e vejamos se o Dalton e o Bottino também fazem o mesmo para as próximas semanas.
Enquanto isso, continue trabalhando, mantendo seu blogue (aprendi há pouco a importância de se manter um portifólio digital online) e nunca deixando de praticar. É claro que também é muito importante estudar os "mestres" como o Will Eisner, entre outros que, de preferência, você goste; assim como buscar maneiras de veicular seu trabalho; mas acho que o melhor conselho que qualquer pessoa pode te dar é "nunca pare de produzir, nuca deixe de praticar".
Abraço!